español   français   english   português

dph participe la coredem
fr.coredem.info

rechercher
...
dialogues, propositions, histoires pour une citoyenneté mondiale

A indústria da cana na República Dominicana

Petrolina URENA

07 / 2007

As primeiras plantações de cana-de-açúcar foram introduzidas na República Dominicana pelos colonizadores espanhóis, no princípio do século XVI. Atualmente, a agricultura é um dos setores mais importantes da economia nacional, sendo que a cana-de-açúcar é o principal produto agrícola. O setor está concentrado em três empresas, que controlam 75% das plantações de cana: o Consejo Estatal del Azúcar (CEA), que detém 50% da produção, a Casa Vicini, uma empresa nacional, e a Central Romana, uma empresa estrangeira. A maior parte da produção está localizada no Sudeste do país.

Migração

Durante muitos anos houve conflitos sobre os limites fronteiriços entre Haiti e República Dominicana, que foram definidos a partir de um tratado assinado em janeiro de 1929. Porém, milhares de haitianos permaneceram em território dominicano, a maioria servindo de força de trabalho nos canaviais.

Até hoje o setor depende fundamentalmente de imigrantes haitianos, que representam 90% da mão-de-obra no corte da cana. As estimativas do número de imigrantes haitianos na República Dominicana variam de 500 mil a 1 milhão. O próprio governo dominicano muitas vezes estimula a imigração haitiana, como forma de conseguir mão-de-obra barata nos canaviais. Porém, os imigrantes não têm acesso a direitos básicos e frequentemente são deportados depois que sua força de trabalho é explorada.

Um dos principais problemas desses imigrantes é que legalmente é como se não existissem. São conhecidos como ‘cidadãos sem país’, pois não possuem nenhum tipo de cidadania. Muitos haitianos já chegam à República Dominicana sem possuir documentos e permanecem dessa forma. Os filhos desses imigrantes nascidos no país não são reconhecidos como cidadãos e não recebem certidões de nascimento.

As comunidades de imigrantes haitianos são chamadas de Bateyes. As condições de vida nessas comunidades são de extrema pobreza e os imigrantes moram geralmente em barracos superlotados, sem luz, saneamento básico ou água potável. Não há serviço de saúde, espaços recreativos ou escolas.

A palavra Batey é proveniente do idioma indígena dos Taínos, que originalmente habitavam a região e foram convertidos em escravos durante a colonização espanhola. Atualmente, as condições de trabalho dos imigrantes cortadores de cana podem ser caracterizadas como análogas à escravidão.

Eles enfrentam condições de trabalho muito difíceis, trabalham em média 12 horas por dia e sofrem ameaças de deportação quando procuram se organizar para garantir seus direitos. Muitos não falam o espanhol e isso dificulta ainda mais sua organização.

Os acidentes no corte da cana são freqüentes e muitos deixam os trabalhadores mutilados. Quando deixam de trabalhar, os canavieiros não têm direito à aposentadoria ou pensão. Os salários são extremamente baixos e baseados na quantidade de cana cortada, e não no número de horas de trabalho. Os trabalhadores não têm controle sobre a pesagem de sua produção e muitas vezes não sabem nem mesmo quanto irão receber por tonelada de cana cortada.

Mots-clés

immigré, conditions de travail, canne à sucre, violation des droits humains, ouvrier agricole, production agricole


, République Dominicaine, Haïti

dossier

Agroénergie : mythes et impacts en Amérique latine

Notes

Os textos e o manifesto “Tanques Cheios às Custas de Barrigas Vazias” foram apresentados no Seminário sobre a Expansão da Indústria da Cana na América Latina, de 26 a 28 de fevereiro de 2007, em São Paulo.

Este dossiê « Agroenergia: Mitos e impactos na América Latina » está também disponível em inglês, espanhol e francês.

Source

Petrolina Urena, Seminário sobre a Expansão da Indústria da Cana na América Latina, 26 a 28 de fevereiro em São Paulo.

Esclavos de la caña

República Dominicana: Empoderamiento en los campos de caña de azúcar

El Movimiento Socio Cultural para los Trabajadores Haitiano

Comissão Pastoral da Terra - Rua Esperanto, 490 - Recife, BRASIL - Tel. / Fax: 55-81-3231-4445 - Brésil - www.cptpe.org.br - cptpe (@) terra.com.br

Rede Social de Justiça e Direitos Humanos - Rua Castro Alves, 945 - São Paulo, SP, BRAZIL - Tel.: 011 3271 1237/3275 4789 - Fax.: 011 3271 4878 - Brésil - www.social.org.br - rede (@) social.org.br

contact plan du site mentions légales