español   français   english   português

dph participe la coredem
fr.coredem.info

rechercher
...
dialogues, propositions, histoires pour une citoyenneté mondiale

Vida e luta dos trabalhadores rurais sem-terra de Santa Catarina- Brasil

(Vie et lutte des paysans sans terre de Santa Catarina, Brésil)

Cristiana TRAMONTE

05 / 1994

O ano de 1978 e o marco dos acontecimentos que se desenvolveram em torno da ocupaçao de terras que originara o Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra no Brasil . Em Santa Catarina a primeira ocupaçao aconteceu no municipio de Campo Ere, na Fazenda Burro Branco.

O primeiro encontro Nacional dos Sem-Terra aconteceu em 1984, em Cascavel, no Parana. Este encontro representou a fundaçao e organizaçao de um movimento de camponeses sem terra a nivel nacional cujas lutas principais seriam pela posse da terra e pela Reforma Agraria. Para isso, a forma mais eficiente seria pressionar o governo a fazer Reforma Agraria ocupando latifundios improdutivos. Neste sentido, no dia 25 de maio de 1985, mais de 2000 familias ocuparam varias fazendas no extremo oeste e oeste, em Abelardo Luz. Destas, muitas ja foram assentadas . Segundo Dilson, coordenador estadual do Movimento dos trabalhadores Rurais Sem-Terra,a partir deste fato e que se repetiram muitas outras ocupaçoes e varios outros assentamentos.

Hoje, no estado de Santa Catarina sao 2100 familias assentadas em 49 areas de assentamentos, com 37.027 ha. Em 1989, quando da ocupaçao por 200 familias, conseguiu- se um acordo com governo do estado e INCRA segundo o qual este orgaos teriam um prazo de ate seis meses para assentar efetivamente as familias acampadas. As familias que estao assentadas hoje sao tambem as mesmas que em 1987 e 1989 fizeram ocupaçao, enfrentaram o despejo da policia e resistiram. Atualmente, o MST possui 3 cooperativas de produçao e comercializaçao do estado. Segundo Justino Drachevski, agricultor sem-terra responsavel pela coordenaçao das Cooperativas no estado de Santa Catarina, a cooperativa de Abelardo Luz e a mais consolidada.

O numero de familias sem terra em Santa Catarina aumentou de 128.000 para 160.000, apesar das ocupaçoes. Uma Reforma Agraria às avessas, declara o ex-coordenador estadual do MST, Pedrao. Na luta pela Reforma Agraria, um agricultor morreu e 25 lideranças do movimento foram presas somente nos anos de 90 a 92. Na regiao sul houveram 60 conflitos de terra e 6 assassinatos. No estado de Santa Catarina sao 883.653 trabalhadores rurais acima de 14 anos. No ano de 1991, houve uma caminhada do oeste do estado ate Florianopolis.

Tereza, professora de escola basica e agricultora no assentamento rural de Fogo na Ponte, municipio de Abelardo Luz (SC)declara que 60% dos alunos do municipio de Abelardo Luz vivem nos assentamentos. No assentamento Fogo na Ponte cuja area e de 1639 ha. vivem e trabalham 63 familias, das 750 do total do municipio de Abelardo Luz. A produçao basica e de milho, arroz, feijao, e inicio da produçao de soja. As vendas sao realizadas em Abelardo Luz e Araça, outro municipio vizinho e as empresas de Coronel Freitas e Xaxim vem buscar a produçao. Os trabalhadores rurais possuem uma organizaçao regional que consiste em uma comissao regional dos assentados (cada 50 familias tem um representante). Sao 11 assentamentos e a reuniao e bimestral. Ha escola e agentes de saude em todos os assentamentos.

Quanto a violencia, condiçoes de vida e trabalho Tereza e o marido Pedro, tambem agricultor do assentamento Fogo na Ponte declaram:

"O motivo e o desespero. O pessoal nao consegue fazer o que quer. Aqui e muita mistura de gente; raça, lugar, cada um com seu costume, nao e facil de fazer uma comunidade. Ate que encaixe tudo, nao e facil".Para o jovem so tem futebol e dança.Mas nao tem lugar publico para dançar. Quando a dança e na casa, nao tem confusao."

"Estamos cada vez mais falidos. Da terra nao se consegue tirar o lucro para investir de novo. Precisa muito investimento. Investi 100 saco de milho e colhi 75. Como vamos fazer ano que vem? Esta se buscando alternativas: fumo, etc. porque so a lavoura e complicado. Quando o governo estadual e diferente do municipal eles alegam que nao pode fazer nada. Para entrar numa integraçao de suino nao da, porque eles sabem que somos acampados, e uma classe inferior. Vem com uma desculpa, que tem que ter o titulo da terra. Ai vai para o INCRA e ele te enrola de novo."

Mots-clés

coopérative, agriculture, agriculture paysanne


, Brésil, Santa Catarina

Commentaire

A luta dos trabalhadores sem-terra e uma luta ardua. Apesar de constituirem um dos mais importantes movimentos sociais populares da America Latina e todos reconhecerem a justeza de suas reivindicaçoes , o movimento e alvo de violenta repressao politica e policial e suas conquistas sao obtidas muitas vezes a custa de morte de alguns de seus lideres. Nos assentamentos, mesmo apos a conquista da terra, as condiçooes de vida sao extremamente dificeis pela escassez de condiçoes deproduçao. Entretanto, o movimento se consolida ampliando seu espaço na opiniao publica, ganhando mais e mais apoios politicos e institucionais e ate o premio Nobel Alternativo da Paz.

Notes

Depoimentos colhidos para esta entrevista: agricultores Justino Drachevski, Dilson e Pedrào (da coordenacao estadual do MST - Santa Catarina), Tereza e Pedro, do assentamento Fogo na Ponte,municipio de Abelardo Luz.

Source

Entretien

TRAMONTE, Cristiana, DIALOGO-CULTURA E COMUNICACAO

Dialogo Cultura e Comunicacao - Rua Dep. Antonio Edu Vieira, nr.65, apt. 204/D, Bairro Pantanal, Florianópolis-SC, BRASIL - Brésil - mvsouza (@) univali.br

contact plan du site mentions légales