Chamada

a contribuições

Dossiês em preparação

2008 / 2009

- Povos indígenas - Atingir a sustentabilidade pelas filiais: da produção ao consumo

español   français   english   português

dph participa da coredem
pt.coredem.info

buscar
...
diálogos, propuestas, historias para uma cidadania mundial

200 anos de imprensa no Brasil

Marcio VIEIRA DE SOUZA, Renan BERNARDES

07 / 2008

No século XIX, Napoleão Bonaparte avançava com seu poderio militar por toda a Europa. Pouco a pouco os governantes dos países eram subjugados pelo império napoleônico. Em meio a esta situação, o governante de Portugal, Dom João VI, decide se refugiar em uma de uma de suas colônias, o Brasil, com objetivo de fugir de possível atentado do império francês. Com a chegada ao território brasileiro, Dom João VI tomou uma medida que não somente mudaria os rumos da economia nacional, mas propiciaria também o desenvolvimento da imprensa: a abertura dos portos. Sofrendo pressão por parte dos Ingleses, que devido a Revolução Industrial detinham um expressivo poder econômico na época, Dom João VI, representante do império português em decadência, viu-se obrigado a fazer determinados acordos com os ingleses, e dentre este estava a abertura dos portos para os produtos anglo-saxônicos, que posteriormente possibilitou a presença de outros povos parceiros do Brasil. Esta abertura providenciou, além de uma abertura econômica, uma variabilidade de culturas e de costumes, já que devido aos portos, houve uma maior circulação de estrangeiros no território brasileiro, propiciando uma troca cultural expressiva. A informação e a troca de conhecimentos exige meios de comunicação para serem veiculadas, então neste meio social surgiu o primeiro tipo de imprensa no Brasil. No dia 10 de setembro de 1808 foi publicado o primeiro jornal brasileiro oficial: “A Gazeta do Rio de Janeiro”. que publicava notícias sobre a natureza européia, documentos oficiais, as virtudes da família real, enfim, divulgava pontos a favor da família real e suas origens. Para fazer antagonismo com este tipo de notícia, em paralelo criou-se os jornais não oficiais. “O Correio Brasiliense” ou “Armazém literário”, de Hipólito José da Costa, maçônico foragido que redigia o jornal na Inglaterra e exportava por meio de contrabando para o Brasil, tinha mais de 100 páginas. Era vendido, em média, uma vez por mês. Assim nascia a imprensa no Brasil, tardia, já que nas demais colônias o jornalismo já era existente desde o século XVI. A imprensa sempre atuou como ferramenta para mudanças políticas, e o Brasil, de mesma forma, teve um grupo jornalístico que causou mudanças significativas no cenário social brasileiro. Como exemplo cita-se o jornal “A República”, surgido no Rio de Janeiro, em 1870, que ficou famoso pela publicação do manifesto republicano. Em São Paulo, o “Correio Paulistano” agitava a opinião pública sobre a abolição e a República. Nesta época já havia jornais espalhados por todo o país. Em 1907 tem-se o primeiro jornal editado em cores e, finalmente, em 1910 funda-se a Associação Brasileira de Imprensa. São duzentos anos de imprensa no Brasil, e esta imprensa vive uma crise que é comum a todo o mundo. Devido à internet, que traz informação barata e rápida, os outros meios de comunicação se vêem sem saída no mercado para competir, provocando assim uma desestruturação. Comemorando o bicentenário da imprensa, é necessário se ater a dois pontos: Como proceder com os novos meios de comunicação, incentivando-os de forma correta e séria, como os webjornais e os blogs, cujos papéis exercidos no meio jornalístico são inegáveis, e como reestruturar os meios de comunicação já existentes, a fim de utilizar o que cada um tem de melhor. É preciso unificar o velho estilo de se fazer notícia com o novo, para que ambos, estruturados, possam atuar no futuro.

Palavras-chave

história, monopolio da comunicação, imprensa, comunicação


, Brasil

Comentários

É triste perceber que, não somente a economia e o desenvolvimento no Brasil foram atrasados, mas também a incorporação do meio jornalístico como forma de desenvolvimento e circulação de idéias. Evidencia-se que o atraso causa estragos que se arrastam ao longo dos anos. A dívida assumida com os ingleses estende-se até hoje, trocando de nome, sendo repassada a outros credores, se tornando dívida externa, etc. A demora do implemento da imprensa também traz reflexos, que podem não ser tão visíveis como os problemas econômicos, mas que trazem efeitos com igual profundidade. È importante perceber o papel que a imprensa tem, quando incentiva o surgimento da República, e depois quando comemora a existência da mesma. A imprensa, assim como o Estado, procura agir como um interesse do povo, e para o povo.

Fonte

MARQUES, José Reinaldo. Imprensa no Brasil, 200 anos, www.abi.org.br/primeirapagina.asp?id=2066, 27\06\2007

BERNADES, José. 200 anos de imprensa no Brasil:tempo de reflexão na era dos bits.portal.in.gov.br/200anos/Artigos/200-anos-de-imprensa-no-brasil-tempo-de-reflexao-na-era-dos-bits/

FENAJ - Site da Federação Nacional dos Jornalistas , 200 anos da imprensa no Brasil: marco histórico a ser comemorado com luta www.direitoacomunicacao.org.br/novo/content.php?option=com_content&task=view&id=3512

Universidade do Vale de Itajai (Programa de Mestrado em Gestão de Políticas Públicas da UNIVALI-SC (PMGPP-UNIVALI)) - Rua Uruguai, 458- Itajaí- Santa Catarina, BRASIL CEP: 88302-202 - Brasil - www.univali.br

contacto mapa do site menções legais