Chamada

a contribuições

Dossiês em preparação

2008 / 2009

- Povos indígenas - Atingir a sustentabilidade pelas filiais: da produção ao consumo

español   français   english   português

dph participa da coredem
pt.coredem.info

buscar
...
diálogos, propuestas, historias para uma cidadania mundial

Alfabetização : a Questão das Palavras Geradoras

Kátia Cristina DE ALMEIDA

08 / 1996

Inicialmente encontrei na turma de Alfabetização, alunos que, em sua maioria absoluta não sabiam escrever sequer o próprio nome. Poderíamos até denominá-los, como geralmente se faz, de "nulos" (!). Daí ter sido o desenvolvimento de atividades que envolvessem o nome do primeiro trabalho realizado: cópia, comparação, reconhecimento e pesquisa de letras em jornal.

Durante esse processo, percebi claramente que os alunos já conheciam algumas letras. Aproveitando-me disso, decidi ampliar tal pesquisa para o alfabeto (maiúsculas, minúsculas, cursivas, de jornal).

Com o interesse aumentado pelas atividades, com jornal e letras "na mão", alguns alunos começaram a demonstrar que conheciam determinadas palavras (do tipo: casa, dedo, bola, mesa). Incentivei, então, a escrita e a pesquisa dessas palavras e verifiquei que era raro um aluno não reconhecer ao menos uma palavra (talvez até decorada; e por que não?).

Como o conhecimento era muito heterogênio e desigual - apresentando pouca ou nenhuma conexão, decidi partir para a introdução de uma palavra que permitisse um trabalho melhor sistematizado de alfabetização. Fizemos um levantamento de palavras que cada um desejava muito aprender a ler e a escrever. A maioria citou nomes de filhos, mãe, pai, irmão ou namorado (a). Decidimos assim realizar uma votação e selecionar apenas uma palavra. A escolhida pela maioria "esmagadora" foi: Jesus.

A princípio achei essa palavra "pobre"para gerar novas palavras e propiciar o acúmulo de conhecimento de novas letras. No entanto, logo percebi, através da discussão, que ela suscitava uma carga emotiva muito forte. Isso acabou por estimular o trabalho e por facilitar o seu reconhecimento (dela mesma e de suas letras). Além disso, a elaboração de frases e textos foi devidamente enriquecida pelas idéias e afetos aos quais permanece ligada.

Em seguida, outras palavras foram sendo selecionadas e estudadas (em níveis fonológicos, semânticos e afetivos)pela turma (tais como: favela, família, educado). Este meu posicionamento era imprescindível: o de orientar a escolha da palavra por seu caráter produtivo (formação de novas palavras, frases, discussões, textos). O aumento do "vocabulário textual" é o ponto crucial do trabalho.

Cabe assinalar que as atividades nunca se restringiam à cópia. Pelo contrário, ela só era (é)utilizada como meio de aperveiçoamento de traços das letras. Coloquei sempre o raciocínio, a observação e a descoberta como aspectos da aprendizagem.

Exercícios de criação de palavras a partir de letras ou sílabas, pequenos debates sobre valor e significado de palavras são e sempre foram a tônica do nosso trabalho de alfabetização. A leitura em grupo ou individual é invariavelmente utilizada, seja no quadro, no caderno, no jornal ou em fichas.

Nesses dois meses e meio, a turma avançou muito. Alunos que aparentemente eram "nulos" já começaram a ler e a escrever, a dominar o mecanismo da leitura e da escrita. Dos 22 alunos que freqüentam com certa assiduidade, apenas 4 aparentemente, não conseguiram avançar muito. Talvez ainda não tenham atingido o seu momento adequado ou necessitem demais tempo para alcançar o que os outros já conquistaram. Resta a mim continuar o trabalho coletivo com vistas a essas particularidades, no sentido de propiciar seu desenvolvimento, mesmo que aos meus olhos ele apareça apenas como mínimo.

Palavras-chave

educação popular, educação, alfabetização


, Brasil, Rio de Janeiro

Notas

Através do insentivo à produção e leitura de fichas de capitalização de experiências pedagógicas, a rede BAM pretende favorecer a um processo de formação continuada junto a coletivos de educadores de jovens e adultos (hoje, existentes nos estados do Rio de Janeiro e Pernambuco). Está apoiado numa metodologia que valoriza a autoria e promove a interação entre educadores de diferentes contextos.

Fonte

Relato de experiencias ; Texto original

SAPÉ (Serviços de Apoio à Pesquisa em Educaçào) - Rua Evaristo da Veiga, 16 SL 1601, CEP 20031-040 Rio de Janeiro/RJ, BRESIL - Tel 19 55 21 220 45 80 - Fax 55 21 220 16 16 - Brasil - sape (@) alternex.com.br

contacto mapa do site menções legais