español   français   english   português

dph participe à la coredem
fr.coredem.info

rechercher
...
dialogues, propositions, histoires pour une citoyenneté mondiale

Refletindo a Educação como Cultura

(L’éducation comme culture)

Yaponira Barbachan GUERRA

09 / 1995

Este texto procura costurar e retomar leitura, conversas, encontros, reflexões, a partir de minha prática na área da educação, principalmente no trabalho de formação de educadores.

A preocupação é iniciar um movimento de crítica privilegiando o processo de nossa própria formação destacando o compromisso político-social, mas especialmente a prática educativa desenvolvida, o exercício de educador nesse processo.

Porém, para isso "é preciso reconhecer as próprias potencialidades e saberes acumulados na educação popular, especialmente no campo das subjetividades da vida cotidiana, e das metodologias de trabalho. Vilela (1).

Na acumulação de experiências, que questões e que aspectos podem ser destacados?

Algumas inquietações me chamam atenção em especial:

Como recupera a cultura no cotidiano? No trabalho, na escola, nas relações? A cultura é produção da vida.

Como pensar a formação do educador, sem passar pela questão da identidade dos sujeitos enquanto pessoas que têm uma história, que têm suas raízes culturais? Portanto, é necessário destrinchar o que a gente entende por educação enquanto cultura e como transformação cultural. Educação enquanto cultura é entendida aqui como o sentir, o pensar e o agir das pessoas; o criar, o sonhar, o transformar. A educação entendida como a apuração desse sentir, desse pensar, desse agir. É levar tudo isso em conta no processo educativo. Olhar isso no movimento, na história do cotidiano dos grupos, das pessoas (nós, as crianças, os jovens, o adultos). Não dá, por conseguinte, para enxergar essa cultura de um ponto de vista estático, apenas no aqui, num hoje sem fronteiras.

Se como afirma Paulo Freire, educar é trabalhar com a cultura, em cima da cultura, então, o ato de educar tem sentido enquanto pensado, sentido e vivido como trabalho cultural. É preciso não perder de vista que também é na cultura que se explicam e se inspiram as semelhanças as diferenças, as origens, as mudanças, as heranças que tornam cada momento, um passado e que nunca é o mesmo e que traz o amanhã nesse hoje. Será que nós, educadores, compreendemos, de fato, que a educação só poderá ser transformadora se nossa prática se inspirar na cultura? Uma prática de descoberta e de aperfeiçoamento; que trabalha com os sentimentos, as emoções, o afeto, o pensamento, a reflexão, o agir, o conhecimento. Como descobrir, como garimpar o jeito que é próprio de um povo, das pessoas, do professor, do aluno? Então eu chamo nossa atenção para essa coisa do fazer educação, que não é um privilégio ou propriedade, por exemplo, do professor ou do profissional de educação, mas que é também do aluno, do educando, não numa relação, mas em relações que determinam esse fazer da prática pedagógica, e que não se repassa simplesmente.

Entretanto, nessas relações existem papéis diferenciados nesse processo de formação, precisamos ter bem claro que é uma relação entre sujeitos sociais, o eu, o tu e nós. Como transar isso aí? É olhar o que parece velho, ou o que está sempre presente, mas com um novo olhar, sob uma perspectiva de cosntrução do novo. Com uma visão de garimpeiro, ou seja, buscar nossa cultura e a dos grupos com quem trabalhamos. É a história do pé na ilha, nas raízes, mas extrapolando constantemente o qui, sem perder de vista um projeto pedagógico maior.

Processa-se assim uma relação de conhecimento, de sentimentos: é possível reconhecer-se na relação de saberes e de poderes? Avaliemos, façamos uma leitura, leitura essa que pode ser ou a partir de um modelo ou um ponto de vista que pode ser deformante, incompetente, ou de uma visão construtiva e transformadora.

Refletindo um pouco sobre o caminho, o fazer da escola, o exercício de seu processo educativo. Perguntamos, a escolarização, o ensino, o aprender, têm envolvido a participação na produção? A reflexão, a discussão, o aprofundar o que sabemos e daí avançar mais, permitindo a criação e descoberta do novo, do diferente. Dar importância, considerando, explorando as diversas formas de linguagens expressivas, ampliando o campo da sensibilidade, estar de antenas ligadas.

O papel do educador, portanto, é estimular, gerar um processo de descobertas, criar condições e situações de aprendizagem e desafios, de forma que provoque no aluno o processo de apropriação e acumulação do conhecimento.

Na verdade, quantos educadores, não estariam experimentando, na prática, num processo de autoformação e formação, um modelo de educação de uma "cultura" da reprodução, em nome de um discurso transformador?

Diante dessas considerações e reflexões, não podemos ignorar que tudo isso passa pela questão da identidade, seja ela individual ou profissional, porque sem ela não pode existir homem, nem tampouco cidadania. O que isto significa para nós educadores?

Mots-clés

éducation populaire, éducation, identité culturelle


, Brésil, Pernambuco

Notes

Yaponira é Educadora ligada à secretaria municipal de educação do Cabo de Santo Agostinho, em Pernambuco, e integrante do Coletivo de Educadores de Jovens e Adultos, naquele estado.

Através do insentivo à produção e leitura de fichas de capitalização de experiências pedagógicas, a rede BAM pretende favorecer a um processo de formação continuada junto a coletivos de educadores de jovens e adultos (hoje, existentes nos estados do Rio de Janeiro e Pernambuco). Está apoiado numa metodologia que valoriza a autoria e promove a interação entre educadores de diferentes contextos.

Source

Texte original

SAPÉ (Serviços de Apoio à Pesquisa em Educaçào) - Rua Evaristo da Veiga, 16 SL 1601, CEP 20031-040 Rio de Janeiro/RJ, BRESIL - Tel 19 55 21 220 45 80 - Fax 55 21 220 16 16 - Brésil - sape (@) alternex.com.br

contact plan du site mentions légales